Como ir à festas e quermesses com criança pequena?

criança

Todo ano tem a tradicional Festa da Uva de Jundiaí, que acontece sempre no início do ano e reúne muita gente. Com música ao vivo, comida e bebida, é claro que todo mundo quer se programar e aproveitar a festa, mas será que é uma boa levar uma criança pequena a um evento desse porte? Bom, eu fui e vou te contar a minha experiência.

Antes de tudo, quero dizer a infraestrutura da festa estava impecável. Havia os banheiros de alvenaria com espaço (meio improvisado) para trocar bebês, e alguns químicos para ajudar na demanda.

O local é bem espaçoso, e apesar de muita gente circulando, conseguimos passear numa boa. E aqui abro um belo parêntese sobre o “numa boa”. Claro que teve perrengue, gente. José tem um ano e meio e só não sobe no lustre porque não conseguiu chegar lá ainda, rs, mas dentro da realidade de uma criança que não para, conseguimos sim aproveitar.  E aqui eu dou duas dicas valiosas para curtir a festa!

Primeiro de tudo é não desgrudar os olhos da criança.

São muitas novidades e coisas que podem fazer a criança querer sair correndo, ou parar para ver melhor, e se a gente não fica de olho, é batata que rola um desencontro. Para evitar isso, nós usamos aquelas mochilas com a guia.

Sim, pode falar que parece de cachorro. Eu sei que parece, mas eu também sei que é sensacional poder olhar pra cima um pouco, saber que tem um certo controle sobre os passos da criança, e dar a ele a sensação de estar livre.
Isso foi primordial para que a gente conseguisse curtir a festa, comprar comida e aproveitar o dia. Sem a mochila teríamos estressado com o José no colo, ou tentando manter ele de mãos dadas, algo que não rola por mais de dez segundos aqui.

A segunda dica, e talvez a mais importante, é:

reduza as expectativas! Isso mesmo. Não adianta nada chegar lá achando que vai passear tranquilamente, sem preocupações, vai comer, beber e comprar sem estresses, porque é mentira, e nem no comercial de margarina isso existe mais.

Passeios com filhos são um perrengue e a gente sabe disso, mas quando pensamos em todas as possibilidades e sabemos que não será a mesma coisa de quando éramos sozinhos, tudo melhora, eu garanto!

No domingo estava muito calor na Festa da Uva, então as sombras (que são muitas) estavam disputadas, mas conseguimos provar o famoso torresmo de rolo (indico com força!), o frango frito, e comprar uvas (se você nunca provou a uva de Jundiaí, peço que faça isso com urgência, é di-vi-no!).

Para quem vai com crianças mais velhas, tem um espaço com brinquedos e o pessoal estava curtindo bastante. José ainda é muito pequeno para ir sozinho, então não fomos, mas pareceu ser bem organizado, espaçoso e estava debaixo de uma tenda, protegidos do sol. Os parquinhos permanentes do espaço também estavam bem conservados e foram a sensação da criançada.

Eu sempre gostei de ir na Festa da Uva. O cheio da fruta pairando no ar, as comidas deliciosas e a agitação sempre foram bons motivos para frequentar, e tenho boas lembranças dos momentos que passei ali. Na minha época, os shows “famosos” eram regulares, então era mais um pretexto para ir e curtir.

Quero que José tenha essa mesma lembrança e que a gente possa construir juntos suas memórias afetivas com a cidade, porque é aqui que temos nossas raízes, e tenho orgulho da cidade.

Agora me conta, já foi na Festa da Uva? Gostou? Qual a sua lembrança favorita da festa? Venha colher momentos de alegria.

Posts relacionados

Bem Estar

Um caso chamado AMOR

Maria Olívia
Bem Estar

Tudo que você foca expande

Suzy Magalhães
Astrologia
Bem Estar
Psicologia
Saúde

Reflexão Filosófica – Parte 2

Natália Anjos

Cadastre-se e receba novidades e atualizações por e-mail.